Pequenos empresários poderão participar da nova licitação do transporte da Capital

25 de Nov de 2014

Categoria Administrativo

Após o segundo fracasso, Prefeitura decidiu mudar o processo.

Deserta. Foi assim que acabou o segundo capítulo da novela intitulada “Licitação do Transporte Público de Porto Alegre”. Na verdade, o título é mais abrangente que o conteúdo em si. Em jogo está a concessão dos ônibus da cidade, já que os BRT’s e o metrô parecem ficar, a cada dia, mais distantes da realidade porto-alegrense.

Após o segundo fracasso, a Prefeitura decidiu mudar o processo licitatório. Não será preciso esperar que grandes consórcios se interessem pelo controle do sistema, que há 40 anos é administrado pelas mesmas 12 empresas privadas que se agrupam em três grandes consórcios. Os pequenos e médios empresários também poderão concorrer, já que linhas — e não mais bacias — serão licitadas.

Os atuais permissionários também tem sua carga de culpa nesse processo. Tentaram atrapalhar a todo custo. É justo e natural. A última tentativa, na semana passada, foi o protocolo de uma representação no Tribunal de Contas para postergar a entrega das propostas. Não conseguiram. Decidiram então anunciar aos quatro ventos que não iriam concorrer. Talvez isso tenha influenciado o insucesso da sessão de entrega de propostas, já que uma possível concorrência possa ter se assustado. Talvez, o problema seja mesmo o edital.

Como sempre, há uma luz no fim do túnel. Logo após a prefeitura perceber que não apareceriam concorrentes — nem mesmo interessados internacionais, que poderiam acessar um edital em inglês pelos sites do Banco Mundial e da ONU —, o prefeito tomou a frente e se explicou. Nas últimas semanas, ele calou-se frente às dúvidas em torno do processo e assinou em baixo do que esclarecia o presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari, responsável pela licitação. Um terceiro edital será lançado. Teremos mais seis meses para discutir se com ou sem ar-condicionado.

Fonte: Correio do Povo - 24/11/2014