Fitch: ação do governo ameaça ambiente regulatório de concessões rodoviárias

28 de Jul de 2014

Categoria Administrativo

A Fitch Ratings afirmou, em relatório sobre o setor de logística brasileiro, que são crescentes as preocupações regulatórias no setor de concessões rodoviárias desde que alguns reajustes tarifários previstos nos contratos foram suspensos pelo poder público no ano passado. De acordo com a agência de classificação de risco, embora a ação do governo não afete imediatamente os perfis de crédito das empresas ela ameaça a força do ambiente regulatório. "A visão de risco regulatório moderado tem sido ameaçada desde a suspensão de alguns reajustes tarifários", afirmou a Fitch.Em meados do ano passado, próximo ao auge das manifestações populares, governo federal e do Estado de São Paulo suspenderam os reajustes anuais das tarifas de pedágio previstas em contrato. O poder público adotou medidas para compensar os efeito da suspensão sobre as contas das concessionárias de rodovias. O governo paulista permitiu, por exemplo, a cobrança de eixos suspensos de caminhões. Mas as preocupações continuaram e, de acordo com a agência, apesar de prováveis os reajustes tarifários em 2014 são incertos.A Fitch, no entanto, mantém o seu otimismo em relação às empresas de logística do Brasil - a maior parte das empresas do setor classificadas pela agência tem a cobrança de pedágio como negócio principal. De acordo com o relatório, os gargalos de infraestrutura de transporte de massa proporcionam oportunidades de demanda para os segmentos de concessões de rodovias, transportes urbanos, portos e aeroportos."A disposição de entidades privadas para apoiar novos projetos é suportada pelos níveis relativamente altos de rentabilidade destes negócios e pela razoável previsibilidade de ganhos dos projetos de infraestrutura", consta no texto assinado por Gisele Paolino e Wellington Senter. (Wladimir D'Andrade -wladimir.dandrade@estadao.com)

Fonte: Estadão - 24/07/2014